Um irmão = mil problemas

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010
Um irmão = mil problemas?

Ter irmãos significa dividir a atenção dos pais, a grana para as baladas, o computador, o quarto… E essa não é a coisa mais fácil do mundo. Afinal, para dividir, é preciso saber negociar. Pra piorar, irmãos costumam ser diferentes. Por essas e outras, a convivência desperta muitas emoções. Ao mesmo tempo em que há um sentimento de amor e carinho, sobra espaço para o ciúme e a competição. E, em geral, a gente olha mais para as dificuldades. “Na convivência com os irmãos, podemos desenvolver e exercitar habilidades que serão importantes em todas as relações que teremos no futuro, como o respeito e a tolerância, principalmente em se tratando das diferenças. Além disso, é sempre interessante perguntarmos o que podemos fazer para melhorar o relacionamento”, alerta a psicoterapeuta Maria Tereza Maldonado, autora do livro O Bom Conflito: Juntos Buscaremos a Solução /Integrare Editora. Então, se a sua casa anda parecendo a Faixa de Gaza, pode ser uma boa tentar reavaliar suas atitudes. Acredite: essas histórias podem ter um final muito mais feliz do que você imagina.

“Meu irmão é o queridinho, e leva vantagem em tudo”

Será que, tirando a carga de ciúme, isso faz sentido, mesmo? A psicóloga clínica Rita Romaro ajuda a entender essa confusão: “Os filhos não são iguais, e isso obriga os pais a se relacionarem de um modo diferente com eles. Isso não significa que eles gostem mais de um do que de outro.” E tem mais: o fato de o seu irmão “se dar bem” pode ter a ver com a maneira como ele se comporta em relação aos seus pais. Se ele tem mais jeito para conversar, é lógico que vai convencer. Isso não tem a ver com o fato de ele ser ou não “o queridinho”.
A sua estratégia: Chegou à conclusão de que não é encanação sua esse papo de que o irmão leva vantagem? O único caminho para acabar com isso é recorrer a uma conversa com seus pais. Fale com eles sobre como se sente. E dê exemplos práticos. Pode até ser que, sem perceber, eles estejam mesmo exigindo mais de você. Esse papo servirá para fazê-los refletir. Afinal, pai e mãe não foram formados numa faculdade especial para educar os filhos. Então, estão sempre aprendendo.

“Meus pais vivem me comparando com a minha irmão”

É bem possível que eles façam isso com uma boa intenção. “A tentativa dos pais é de incentivar o filha a melhorar, tomando o exemplo do irmão”, explica a psicoterapeuta Maria Tereza Maldonado. Ainda assim, a situação é pra lá de delicada. E, se as comparações são constantes, não há nenhum motivo forte capaz de justificá-las. O jeito é se defender.
A sua estratégia: Para convencer seus pais de que é uma garota tão especial quanto a sua irmã – embora diferente – você precisará estar certa do que está falando. Pense um pouco sobre as suas qualidades, sem usar alguém como parâmetro.
“O bacana é o adolescente se aceitar do jeito que é, com os talentos que ele tem. Vale muito mais ser autêntica do que passar a vida tentando imitar quem quer que seja”, garante a psicóloga Rita Romaro. Por fim, vale dizer aos pais que ser comparada o tempo todo é desagradável, o deixa triste e magoado Será que iriam gostar se você começasse a compará-los com os pais dos seus amigos? Com certeza, não.

“Odeio dividir o quarto com o meu irmão”

Se não existe a opção de dormirem em cômodos separados, a saída é a negociação. O mesmo acontece com tudo o que dois /ou mais irmãos precisam dividir.
A sua estratégia: Tudo começa pela conversa com seu irmão, em que você tenta explicar o que a incomoda e dá sugestões de como aquela situação poderia ser modificada, com o objetivo de estabelecer uma convivência mais tranquila. Mas, nesse papo, tem que haver espaço para que ele também coloque as prioridades dele. Todo cuidado é pouco para a coisa não desandar e acabar em briga feia. Lembre-se de que o propósito é fazer um acordo de boa convivência. Agora, não existe negociação quando nenhum dos dois quer ceder. “É preciso que cada um esteja disposto a abrir mão de um pouco, que haja colaboração recíproca”, diz Maria Tereza. Por exemplo: se seu irmão é bagunceiro e você não quer dormir em um chiqueiro, combine que nunca mais vai surtar com ele, desde que o fofo aprenda a socar as roupas dele num canto específico do armário. Procure seus pais apenas se não rolar acordo. “Em algum momento da vida, é provável que você tenha que dividir uma casa. Se for estudar numa república fora da sua cidade, por exemplo. Então, vai ter que usar essa habilidade de negociar. Quanto antes começar a praticá-la, melhor.” A dica é da psicóloga Rita Romaro.

“Meu irmão é muito ciumento”

Já parou pra pensar que, por trás de tanta marcação, pode estar um carinho grande por você e um desejo de poupá-la de sofrimento? Ok, isso não dá a ele o direito de invadir, mas pode ser útil para desfazer essa impressão de que ele a controla por pura teimosia. Por isso, evite fazer o mocinho sensível, delicado e vulnerável na frente dele, como se estivesse sempre precisando de ajuda. Outra coisa que pode parecer óbvia, mas também deve ser levada em conta: nos namoros do mano, mantenha você também uma distância saudável.
A sua estratégia: Tem outra, a não ser a conversa? O truque é começar amansando a fera. Diga que entende a preocupação dele, mas que está incomodado. Explique que já se sente preparado para escolher os seus relacionamentos, e dar a eles o rumo que achar melhor. Aproveite para deixar bem claro que sempre estará aberta para ouvir as opiniões dele, mas seja firme ao colocar limites..

“Meus irmão não respeitam as minhas coisas”

Seus irmãos pega suas coisas sem pedir? E você? Tem respeitado a privacidade dele?
A sua estratégia: Coloque limites para evitar abusos que tenham a ver com a sua intimidade. Você tem direito – garantido por lei, inclusive – à sua privacidade. Da mesma forma, não há justificativa que amenize a culpa dos seus irmãos se eles estão desrespeitando o que é seu. Se não quer que eles se metam, exija esse comportamento deles e, se for preciso, recorra aos seus pais. Agora, se você também quer tirar vantagem de um uso compartilhado de alguns objetos – roupas, sapatos, bijus, etc. – com o seu irmão, estabeleçam antes um acordo comum. Algumas regras que podem funcionar: só pode usar se pedir com antecedência, tem que devolver como pegou, não vale emprestar para os amigos, etc.

fonte: always for girls

http://secretgirl02.blogspot.com/2010/01/um-irmao-mil-problemas.html

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>