Psicoterapia para Adolescentes

A adolescência é um processo de desenvolvimento no qual as questões e duvidas são muitas e as certezas são poucas – a evolução desse processo dependerá  tanto do desenvolvimento infantil e da forma como as dificuldades foram manejadas,  quanto das dificuldades ambientais e familiares encontradas – o que torna difícil se pensar em um prognóstico.

As crises na adolescência são normais, mas precisamos diferenciar o que é temporário (fase) e o  que é uma forma de ser no tempo, isto é, uma forma disfuncional que afeta áreas importante do desenvolvimento como saúde, vida escolar, vida familiar, relacionamentos interpessoais, vida social. Deve-se ficar atento ao inicio ou experimentação de drogas e álcool, que pode ser um pedido de ajuda para outras questões como depressão, baixa autoestima, angustia…

A questão diagnóstica na adolescência é complexa, variável, multifatorial. O adolescente ainda está em desenvolvimento, fazendo parte dessa trajetória o processo de estabelecimento da identidade, as oposições, as inclusões em grupos diversos, a transgressão. O difícil é saber quando essa transgressão, essa desadaptação, tristeza, confusão, esquisitices são indicativas de um quadro psicopatológico se instalando.

Quadros que podem se instalar ou se agravar na adolescência e que necessitam de avaliação e tratamento:Transtornos alimentares (bulimia nervosa, anorexia nervosa, obesidade, compulsão alimentar; Risco suicida;  Depressão (consciência de si estruturada a partir de sentimentos de desvalia e de retração/impotência frente ao mundo adulto,  desesperança…); uso / dependência de substâncias; Transtorno de Humor; Esquizofrenia; Transtorno de Conduta; Bullying; Transtorno de Ansiedade; Doenças Psicossomáticas.

Torna-se importante buscar ajuda psicoterapêutica quando os momentos de crise apresentarem-se muito intensos, prejudicando a vida produtiva e os relacionamentos do adolescente, para que possa buscar outras formas de enfrentamento e resolução de problemas, sem precisar desenvolver sintomas (saída disfuncional) e se envolver em situações com serias consequências.

Cabe notar que nessa fase do desenvolvimento os pais também sentem-se perdidos e com dificuldade em discriminar o que é normal da idade ou que é um problema que necessita de outras intervenções, por isso também são orientados no inicio do processo de psicoterapia do adolescente.